arte
 

Gerardo Burmester


1953

biografia

Natural do Porto, Gerardo Burmester chegou a frequentar a Escola Superior de Belas Artes desta cidade, abandonando-a antes de cumprida a sua formação académica.
Entre 1975 e 78 viveu em Paris. Foi um dos membros do Grupo Puzzle, no âmbito do qual realizou diversas performances, e fundou e dirigiu (com Albuquerque Mendes) o Espaço Lusitano, no Porto.
Foi premiado em 1986 e em 1995 nas V e VIII Bienais de Cerveira. Entre as exposições individuais realizadas, contam-se: 1981, 82, 89 - Galeria Roma e Pavia, Porto; 1982, 88 - Cooperativa Árvore, Porto; 1983 - Espaço Lusitano, Porto; 1990, 91, 92, 93, 95 e 97 - Galeria Pedro Oliveira, Porto; Entra as colectivas em que participou figuram: 1980 - Arte Portuguesa Hoje, SNBA, Lisboa; 1981 - Arte Postal - Bienal de S. Paulo; 1982 - Bienal de Cerveira; III Bienal Ibero-Americana, México; Artistas de Oporto, Sevilha; 1983 - I Exposição Nacional de Desenho da Cooperativa Árvore; 1984 - Novos Primitivos, Árvore, Porto; 1985 - Expo AICA, SNBA, Lisboa; 1986 - V Bienal de Cerveira; VIII Bienal de Pontevedra; AICA 86, SNBA, Lisboa; 1988 - Tendências dos Anos 80, S. João da Madeira; 1989 - FAC - II Forum de Arte Contemporânea, Lisboa; 1991 - Há um Minuto do Tempo que Passa, Fundação de Serralves, Porto; 1992 - Sortilégios, Alfândega, Porto; 100 Anos de Arte no Porto, Árvore, Porto; 1993 - Imagens para os Anos 90, Fundação de Serralves, Porto; 1994 - Quando o Mundo nos Cai em Cima, CCB, Lisboa; Fragmentos para um Museu Imaginário, Fundação de Serralves, Porto; 1995 - VIII Bienal de Cerveira; 1997 - Linha de Costa, Munique; Anatomias Contemporâneas, Oeiras.
A obra de Gerardo Burmester evoluiu para obras de grandes dimensões, instalações abrangentes de objectos em que se cruza a condição da pretensa utilidade, da evidente inutilidade e da qualidade estética; tudo tratado em materiais de acabamento perfeccionista que encenam situações de esplendor, elemento sistematicamente associado à sua produção.